.Médi.

•October 13, 2009 • Leave a Comment

Pô que vida boa!

Sete e meia levanta

Mais dez de soneca

Sete e quarenta.

Acorda,corre!A aula vai começar.

Come ou escova dente?

Come,senão desmaia!

O bafo?taca chiclete!

Frio ou calor?aaaaaaaaaa q roupa??

Corre,corre!

Perdeu chamada!

Cara#&

Só 40 minutos de almoço!?Mas não vai dar tempo!!

Liga fogão,ou microondas?Acabou comida congelada.

Não dá pra fazer.

Me dá um salgado ae.

Anda que tá atrasado.

Perdeu a chamada.

De novo?

Cac$%¨

Atelectasia

Amenorréia

Ureter

Será que vai dar tempo de ver Prison Break hoje?

Pneumotórax

Edema

Melena

…….

vai pra casa?

Acabou a aula?Não,tem que ir no hospital

Corre,corre que o preceptor já chegou.

Perdeu chamada

DE NOVO!??!

Lar,doce lar.

Tomar banho?comer?

Em 50 minutos e anda porque tem prova

E 2 trabalhos

Mas..

Dormir?

Háháhá

Anda,anda,anda que não vai dar tempo!!

Já são duas e meia?Não tem BASE!

Arruma o despertador!E vê se não atrasa.

Pus já.

Sete e meia da manhã.

             ……….

Ah Medicina…

Advertisements

Clarisse

•October 13, 2009 • Leave a Comment

Tinha vinte um anos quando conheci Clarice.

Primeiro contato foi por laços de família

Através de Ana

Com sua rotina,seus filhos,marido

Mudou tudo no bonde–ela viu—

O cego

O chiclete

e..

     SAI,s-a-i da escuridão!

Aaaaaahh!!!

Ela saiu.

……

Com desespero  voltou para o preto,vazio.Mas agora com NOJO.

nOjO dO amOr.

Fui me aproximando pela  mocinha

Uma preciosidade

Sem ser bonita.

Estudante de 15 anos,com seu salto de madeira

Participou de muitas batalhas

Sempre com o andar de soldado

Sim,sim!

Quatro mãos,quatro

Deram-lhe novos sapatos.

E a loucura por Clarice cresceu.

Aos 23 ela me ensinou que existe felicidade clandestina

e..

Que as pessoas para serem obedientes  precisam

Ter amor à simetria

Fugir ao erro grave

e..

TANTO-tanto-TANTO

Contar a história delas mesmas

Mas lembrando sempre de nunca

Desobedecer.

Semtimentu

•April 29, 2009 • 2 Comments

Que sentimento é esse que sufoca?

Que ata as mãos,os pés de forma abstrata?

Usa de uma corda pra amarrar toda a alegria e liberar a frustração?

Impotência generalizada?

Desespero sem motivo?

Ou aflição,angústia,medo incompreendidos?

Loucura mal explicada?

Paciência comprimida?

E a confusão?Preenchendo,amputando…

Coração esmagado,cérebro contraído,dor alucinante…

Constante…

E o grito escondido?

Não sai,não sai mesmo!

Grita?

Ah,não dá..os vizinhos sabe..

Grita!

Os meus pais estão em casa..

Grita!

NÃO DÁ PORRA!

Obrigada..

Estrogênio,progesterona,LH,STH…

Acrescentou?

Nada,estimulou a mente pensante a pensar em nada.

Mas o conhecimento mudou!

Tomei a pílula vermelha por engano,não por escolha.

 

 

Felis

•April 26, 2009 • Leave a Comment

Eu sou feliz.Tenho uma vida ótima.Todos os dias acordo, olho para o meu marido e penso “mais um dia. Que bom!”.Levanto e saio desativando os alarmes colocados durante a noite no primeiro andar.Depois acordo meus filhos e desço.

Quando chego no trabalho e vejo tantos papéis,reclamações,pedidos,desejos  já quero sair da minha sala.Uma enorme vontade de rasgar tudo e ir embora apodera de mim.Mas respiro e recordo que meu emprego é fantástico; tenho sorte. Logo me contenho e estampo aquele sorriso tão calculado e retorno para mais desavenças e interpelações.

Busco ficar com meus filhos, manter aquela conexão inexistente em tantas famílias.Chego em casa, silenciosa como sempre.Meus filhos; um não troca uma palavra sequer com ninguém na casa há um mês e chora bastante (a psiquiatra tem a idéia fixa de que ele precisa de tratamento,terapia,algo assim…o que discordo, só acho que por ser extremamente calado e mais reservado,os outros interpretam errado); o outro quase foi expulso da escola,mas me garante que foi implicância da diretora; estão em seus quartos.Nessas horas me questiono se temos uma boa relação, mas logo retiro isso dos meus pensamentos, pois vem a certeza de que o que vigora na minha casa é apenas uma paz, algo raro nas outras residências.

Meu marido, bem carinhoso, deve voltar tarde.Comentou de bastante serviço na empresa, a ponto de ter que passar algumas noites por lá.Não que eu fique satisfeita dos seus períodos ausentes, mas que é bom ter espaço a mais na cama, isso é.Faz muito tempo que não conversamos..mas sei que é por pura falta de tempo,nada que atrapalhe muito o nosso casamento.

Ao escutar o barulho do interfone, logo estremeço, não que eu seja guiada pelo medo tão alienante e difundido na mídia a cada segundo, mas nunca se sabe não é mesmo?Quando minhas câmeras mostram que é minha vizinha, vou com aquele sentimento de “que besteira, e esse medo bobo?” e abro a porta.Ela aos prantos, entra por porta a fora reclamando que não agüenta essa vida de medo, distanciamento dos filhos, prisão na própria casa, falsidade de que o casamento está perfeito e o trabalho satisfaz .

E pensar que eu já ousei  reclamar da minha vida.

 

Raís

•April 24, 2009 • 1 Comment

Nunca gostei muito de plantas.Salva aquelas que se exibem,com flores magníficas e únicas.Mas no geral,elas me incomodam .

Os ecologistas que me perdoem(aprendi durante anos na escola o quão elas são importantes lá com sua fotossíntese e outras coisas)mas a vontade é de sair arrancando as benditas.Você pode passar às oito da manhã e observar aquela rosa,bela,aberta,toda desinibida.Depois de trabalhar,brigar com o chefe,almoçar e levar seus filhos na escola,você passa pelo mesmo local novamente.E ela continua lá.Paradinha.Não saiu do lugar.A raiz prende ela de tal forma,tão forte,que nem ela tem vontade de sair.Fica lá,acomodada,no mesmo local.Uma vida estagnada.Vá lá que ela cresce,espalha uns “filhotes”.Mas e além disso?Buscou algo mais?Se arriscou por coisas novas?Não.Fez o básico e depois morreu.E até que ela pode pensar no diferente..”como seria se eu não abrisse mais?Me rebelasse?Ou tentasse mudar de lugar..”

Mas logo vem aquele sentimento..de medo..de incerteza..e ela se esconde na certeza de que não,aquela vida está ótima e ela é muito feliz.

E mais uma vez  ela abre as pétalas,coloridas e invocadas.E se agarra junto as raízes com força,para mais um dia igual.

Buati

•April 22, 2009 • Leave a Comment

 Duas da manhã e aquele som aparentemente imutável continua a estalar meus ouvidos.Ahn,larga de ser velha!É só acostumar,todo mundo gosta..é o que procuro pensar.Apesar da fumaça constante e do odor do ambiente não ser outro além de suor mesclado com maconha,fico feliz porque sei que a qualquer instante posso encontrar alguém especial.Olho para a frente e lá está ele,com camisa pólo já  amassada, o símbolo da Lacoste bem visível e o gel,domando aquela franja meio rebelde.Finjo que os olhares que trocamos são sutis e que talvez,ele realmente goste de mim pelo que eu sou,e não pelo meu pequeno decote,meu cabelo arrumado e o rosto completamente maquiado.Sim,ele percebeu que sou uma pessoa boa,amável e que gosta de conversar coisas legais!

Depois de tempos,ele se aproxima.A minha ansiedade fica perceptível..será ele aquela pessoa que tanto procurei?Mesmo idealizando e sabendo que o cara perfeito(bem-sucedido,divertido,inteligente,rico,educado, bonito e fiel)talvez não exista,será que é ele o mais próximo de alguém legal pra ter um relacionamento?

Quando ele chega perto o bafo de cerveja domina.E aí lindona?Ta afim?.E ficou olhando.

Só pensava “afim do quê?”.

Tá que não foi bem como esperava.Mas vai ver que ele é de outra região e lá é assim que as meninas gostam de ser abordadas..Qual o seu nome?

Silêncio.Será que pareci afoita?Ele me olha com uma cara estranha,faz gestos esquisitos com a boca.

Só olho assustada para a gosma meio amarelada no chão.Não deu pra ver direito,porque estava escuro.Mas que o vômito foi caprichado,isso foi.

Logo já saí e fui ao banheiro.E enquanto aguardava naquela fila enorme de mulheres apertadas e desesperadas,que ansiosas não cansavam de esperar,fiquei olhando no espelho ao lado meio desanimada.Mais uma vez ele não apareceu.

Sábado que vem volto de novo.

.Ti amu.

•April 2, 2009 • 2 Comments

-Posso te falar uma coisa?

-Pode.

-Eu te amo.

A expressão dele era tranquila,como fora o dia todo.Nada mudou depois da frase.A respiração não ficou ofegante,o coração bateu na mesma frequência,o sangue circulou na mesma velocidade.

Depois de mínimos segundos–que para ela, como sempre afoita, durou uma eternidade..

-Eu também querida.

-Por que você demorou tanto a responder?Mudou alguma coisa?Tá menos?Que que foi,fala logo!

-Que isso meu bem,impressão sua..respondi rapidinho.Está tudo bem..vem cá,deita aqui.

-Antes uma coisinha então.Me conta..que tanto?

-Que tanto o que?

-Ué,que tanto você me ama..

A vontade,o maior desejo era gritar e dizer “ah!Por misericórdia sua chata!Dá um tempo.Já não basta encher o saco que demoro a voltar do trabalho,ligar ininterruptamente depois de brigas e falar de amantes fictícias porque é bastante insegura pra acreditar no que eu digo,agora quer medir amor?Vá se fuder.”

-Muito,meu bem.Muito mesmo.Infinito serve?E pra sempre.

-Como assim se o”infinito serve”?Você não tem que falar o que eu quero,mas o que você tá com vontade.Por que você tá esquisito hoje?Sei lá,tá diferente..

Os pensamentos borbulhavam.O questionário era o mesmo toda noite…e as reclamações contínuas.Agora ele se limitava a concordar,como um carneiro,passivo e inofensivo,a cada pergunta que ela fazia.Sim,ele iria medir e dizer o que ela quisesse!Tudo que fosse suficiente pra ela fazer o mais simples e almejado por ele:calar a boca.

-Não meu benzinho,já te disse que não há nada de errado.Só estou cansado,o trabalho está uma correria,muitos casos pra resolver ainda..Me desculpe,vou tentar melhorar ok?

-Só isso?

-Só.

-Jura?

-Ahãn.

-Mas…

Silêncio.Era o que ele queria!Finalmente o silêncio!Depois de uns minutos,ele percebeu,que se continuasse calado tudo iria piorar e a consequência seria dias de discussão com o mesmo questionamento”então por que você não disse nada quando falei mas??Nem se preocupou em saber o que estava me angustiando,o que eu queria te dizer..vá a merda!Não aguento mais essa indiferença!”.

Respirou fundo,bem fundo,e perguntou com aquele olhar bem doce(tão treinado na frente do espelho para momentos assim)

-Mas o que linda?Conta pra mim..

-Por que você demorou tanto pra perguntar?Seu imbecil.

-Não demorei..impressão querida,impressão.Conta pra mim.

-Mas..e  se você tiver mentindo?

Aaaaaaaaaa.A única imagem presente era uma praia,deserta da presença dela,com cerveja,muita cerveja e um som bem alto pra ele nunca conseguir escutar nada chato.

-Você não confia em mim?Nossa meu benzinho,você me magoa assim.

Que vergonha se meus amigos me escutassem  falando assim!Ah!Credo.

-Tá.Jura né?

-Ahãn.Agora vamos ficar quietinhos e ver o filme que já vai começar..tá bom?

E deu aquele beijo na bochecha que ele bem sabe que é de carinho(uma das coisas que definitivamente ele não estava sentindo..Mas tudo para acalmá-la valia!Ahn,o filme ia começar!Pelo menos algumas horinhas de silêncio.)

E o filme começou.Música boa,trama aparentemente legal..

E..

Um grunhido começa.

-Que que foi?

-Hum.Desculpa..mas posso te falar uma coisa?Juro que é a última.

-Pode.

-Eu te amo.

O filme chegou no clímax  bem na hora.

Silêncio.

-Ahn.Eu também meu bem.

-Por que você demorou tanto a responder?Poxa,por que?Tô te falando,não estou doida ouviu?Não e não.Você tá estranho!Que que tá acontecendo?

Nãoooo.Cala essa boca sua imbecil.

O pensamento logo foi controlado e sutilmente ele pegou o controle e desligou a tevê.

É..realmente.Rotina é um troço complicado.